Nadador concilia carreira com desfiles por grifes famosas e semanas de moda internacionais





Depois de ficar no Top 10 do mundo nos 50 m borboleta no fim do ano passado, Felipe recebeu um convite do Minas Tênis Clube para voltar a focar 100% na natação Reprodução Facebook/Divulgação


Onze anos depois de começar sua carreira, o nadador Felipe Martins conquistou no mês passado sua primeira medalha individual no adulto ao ser bronze nos 50 m borboleta, ao lado de Nicholas Santos e Cesar Cielo, no Troféu Maria Lenk, no Rio de Janeiro.

Nos últimos anos, porém, o foco maior dele não era a natação, e sim as passarelas. Desde 2009, Felipe começou a dividir seu tempo com a carreira de modelo. Em 2010 e 2011, pouco ficou no Brasil – morou durante seis meses em Nova York, cinco em Milão e no Chile.

As principais competições de natação foram substituídas pelas principais semanas de moda do mundo, desfilando, por exemplo, na São Paulo Fashion Week, na Fashion Rio e em Nova York e Milão, por grandes marcas e grifes do mundo todo.

A carreira começou por uma dica de uma modelo amiga dele, durante um evento que fazia para ganhar dinheiro, entre diversos outros 'bicos', como barman, salva-vidas e recreação infantil. Ao ouvir que tinha perfil de passarela, resolveu se inteirar do assunto.

"Mandei fotos para um agência, mas a princípio me recusaram. Dois dias depois, me chamaram para uma entrevista. Quatro anos depois, já fiz desfiles importantes, por marcas importantes. Tudo aconteceu muito rápido", relembrou Felipe, em entrevista ao Salto Alto.

As experiências vividas ao longo deste tempo foram das mais curiosas. Em Nova York, por exemplo, ele conta que teve época em que tinha 10 dólares para passar a semana, já que chegou lá sem emprego fixo e vivendo dos trabalhos como modelo que fazia. Financeiramente, não valeu a pena. Mas ajudou a impulsionar a carreira.

Atualmente, Felipe namora a também nadadora Carolina Bergamaschi. Mas no período em que esteve na Itália, chegou a morar em um apartamento junto com mais 15 meninas. "Podemos dizer que enquanto eu fui solteiro eu aproveitei bastante a vida", se diverte o atleta do Minas.

Nesta época em Milão, ele relembra também que muitas vezes teve de levar as companheiras de diversos lugares do mundo para o hospital, pois algumas usavam muita droga para se manterem magra e, claro, passavam mal.  "O único cuidado é que tanto na natação como na moda você pode cair em erros. Vi modelos terminarem como mendigos. Ã moda é uma montanha russa de auto-estima, e muitos não aguentam".

Depois de ficar no Top 10 do mundo nos 50 m borboleta no fim do ano passado, Felipe recebeu um convite do Minas Tênis Clube para voltar a "focar 100% na natação". Aceitou. Em janeiro deste ano, começou a treinar pesado e a retomar a rotina na natação. Cerca de quatro meses depois, o resultado apareceu com o pódio no Maria Lenk. Agora, ele se dispõe até a abrir mão de alguns trabalhos na moda para realizar um sonho: disputar a Olimpíada do Rio, em 2016.

"Se quiser focar 100%, é bem difícil. Na natação tem que ter uma rotina diária, de acordar, treinar, almoçar direito. Na moda, não tem rotina nenhuma. É bem difícil conciliar. Eu treinava muito pouco mesmo. Esse ano é que eu me dediquei mais. Agora, fazer trabalho na moda é só quando vale muito a pena financeiramente. Até porque não posso sair do mercado", completou.

Felipe ao lado de Cielo e Nicholas Santos, no pódio do Maria Lenk (Foto: Satiro Sodré/SSPress)




Comente:

Nenhum comentário