Fratus fala sobre dobradinha com Cielo em Londres 2012






Os últimos meses foram de amadurecimento, reclusão e treino. Bruno Fratus não queria deixar escapar um oportunidade semelhante a que teve no Mundial de Xangai, em 2011. Na ocasião, surpreendeu a todos ao chegar à final dos 50m livre com o melhor tempo, mas não soube lidar com a situação. Terminou a prova em quinto lugar e viu Cesar Cielo conquistar o bicampeonato. Neste ano, os dois chegaram a ocupar as duas melhores posições no ranking mundial e passaram a alimentar a esperança de alcançar uma dobradinha nos Jogos de Londres. Cielo com o ouro, Fratus com a prata. Só que o calouro olímpico, apesar do respeito declarado pelo adversário, tem outros planos.

Não, ele deixa claro que não quer passar por vilão, que não quer estragar a festa de ninguém. Sabe que Cielo treinou pelo bicampeonato e não vai vendê-lo barato. No entanto, Bruno também está de olho comprido na medalha da mesma cor que recordista mundial tanto gosta.

- Não sei é difícil de dizer se vamos conseguir a dobradinha. Tem um monte de gente nadando rápido. E em Olimpíada é até perigoso fazer previsão. O exemplo disso para mim foi o Mundial. Tudo pode mudar o tempo todo. Estou indo confiante e indo buscar um resultado inédito. Eu não quero estragar os planos de ninguém. Qualquer um dos oito pode estragar a festa de qualquer um. Antes de pensar em medalha eu tenho que pensar primeiro na semifinal, depois pensar na final e depois talvez pensar em medalha. O que sei é que assim como ele quer ser campeão eu também quero. É natural. Eu treinei para nadar bem mais rápido do que hoje em dia, e não necessariamente para ganhar do Cesar. Mas é claro que ficaria muito feliz se a ordem fosse oposta - disse.

O período pós Mundial foi de muita dedicação. Fratus precisava corrigir os primeiros 15m da prova. Parar alcançar o objetivo, tentou se manter o máximo possível treinando em piscinas que tivessem os mesmos blocos que seriam usados nos Jogos. Fez três períodos de treinos no Crystal Palace e se mudou de São Paulo para o Rio para treinar no Parque Aquático Maria Lenk. Sem nenhum companheiro na raia ao lado. Na última competição, usada para avaliar a primeira parte da prova, o técnico Arilson Soares disse que seu pupilo conseguiu fazer os 15m mais rápidos da carreira.

- Fizemos um trabalho de intensidade, fisico e psicológico, como nunca fizemos antes. Agora, estou procurando manter a tranquilidade para encarar a competição com maior naturalidade possível. O que tenho que fazer é entrar lá e nadar rápido. É mais saudável ser uma pessoa mais tranquila sobre esse assunto. Estou 100% e querendo nadar mais rápido do que nunca. Qualquer atleta que chegue em uma Olimpíada sem almejar uma medalha era melhor ter ficado em casa.



Comente:

Nenhum comentário