Cielo despista sobre revezamento e foca bi olímpico nos 50 metros






Recordista mundial nos 50 m e 100 m livre, Cesar Cielo vive a expectativa de buscar a vitória em ambas as provas na Olimpíada de Londres. O foco, porém, ele garante, é trazer de volta ao Brasil o bi olímpico nos 50 m, repetindo o sucesso de Pequim, em 2008. No entanto, no caminho dessas conquistas está a disputa dos revezamentos com a Seleção Brasileira, que pode atrapalhar Cielo em seus objetivos pessoais, e por isso a participação do melhor nadador do País na atualidade segue indefinida nas provas coletivas da capital inglesa.

Neste domingo, enquanto causava alvoroço com o assédio da imprensa e dos fãs no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (SP), no embarque da delegação da natação a Londres, Cielo despistou sobre sua participação nos revezamentos 4x100 m livre e 4x100 m medley. "Na verdade são os técnicos que decidem, mas eu estou esperando nadar tudo lá", disse o nadador, para depois negar a informação se nadaria até as eliminatórias das provas. "Segredo tático do Brasil", brincou Cielo.

Para o nadador, a sua participação em cada fase dos revezamentos terá de ser pensada somente em Londres. "A gente vai precisar analisar lá para não correr o risco de ficar fora. Mas se eu precisar nadar a eliminatória não vai ser surpresa. Estou esperando nadar todas as provas, assim como foi no Mundial de Roma (em 2009)", garantiu Cielo.

O programa da Olimpíada, porém, não favorece a principal estrela da natação brasileira, principalmente quanto ao 4x100 m medley, que tem a final marcada para o dia seguinte à decisão dos 50 m livre, como admite um dos técnicos da delegação verde e amarela. "Revezamento tem que colocar quem está melhor para o momento. No 4x100 m livre todo mundo vai estar bem, no 4x100 m é circunstancial", reconheceu Arilson Soares.

Arilson foi mais um que deixou em aberto a participação de Cielo nos revezamentos. Para o treinador, é preciso observar como estarão as equipes dos outros países para definir quem nadará cada etapa das provas coletivas pelo Brasil. "É um jogo de xadrez, tem que analisar não só a gente, mas também os competidores", apontou o treinador.

Sem se preocupar ainda com os revezamentos, Cielo sonha com uma Olimpíada mais vitoriosa do que em Pequim no individual, alimentando esperanças de conquistar também os 100 m livre. "Vamos ver como vai ser esse 100 m livre esse ano. Ano passado eu fiquei em quarto (no Mundial de Xangai, vencido pelo australiano James Magnussen, principal candidato ao ouro em Londres). Estou ali na briga. Ninguém pode vacilar, eu vou fazer o meu e torcer para ser o suficiente. O mais importante é o bi olímpico", afirmou o nadador.



Comente:

Nenhum comentário