Phelps vai à quarta Olimpíada 'oxigenado' para se aposentar com mais recordes






A cidade de Londres deve ser palco da despedida de uma das maiores lendas da história do esporte. Papa-ouros em Olimpíadas, o nadador Michael Phelps já deixou claro que pretende deixar as piscinas após os Jogos na capital inglesa. O norte-americano já disse em várias ocasiões que se considera velho, mas terá apenas 27 anos após a disputa.

Na preparação para Londres, Phelps está dormindo há mais de um ano em uma câmara hiperbárica, uma cama que dá a sensação de estar a 2.440 metros de altitude. Isso ajuda para que o nadador consiga absorver mais eficientemente o oxigênio, que é mais rarefeito. "É muito importante para mim, agora que estou ficando velho, pois não me recupero tão rápido quanto antigamente", afirma Phelps.

Como parâmetro, a altitude da câmara hiperbárica é maior do que a da Cidade do México (2.235 metros), onde clubes brasileiros de futebol sempre sofrem para jogar. A cidade de La Paz, na Bolívia, - outra bastante famosa no meio futebolístico – está 3.660 metros acima do nível do mar. O nadador tem encarado essa preparação com bom humor, e diz que sofre para ver televisão. "Imagine uma cama com uma redoma ao seu redor. Parece um tanque de peixes. É um pouco estranho, mas é bom. A pior coisa é tentar ver TV, fica embaçado", brinca.

Phelps ainda não divulgou as provas que irá competir em Londres. Mesmo sendo um dos maiores nadadores da história, ele ainda passará pelas seletivas dos Estados Unidos, que acontecem entre 25 de junho e 3 de julho. Ninguém duvida, porém, que o dono de 14 ouros olímpicos deverá estar nos Jogos em todas as provas que escolher.

Phelps em ação: na Olimpíada de Londres, o recordista promete se aposentar

Phelps em ação: na Olimpíada de Londres, o recordista promete se aposentar
Crédito da imagem: Reuters


O homem – Michael Phelps parece ter nascido para viver mais dentro da água do que fora dela. O nadador tem 1,93m de altura, uma envergadura excepcional de 2,01m e pés de 29,8cm, que servem em calçados número 48. Além de tudo isso, o norte-americano ainda nasceu com hipermobilidade, ou seja, tem uma flexibilidade muito acima do normal em suas articulações. Phelps reúne em seu corpo todas as características físicas essenciais a um grande nadador.

O curioso é que o 'empurrão' de Phelps para às piscinas veio por conta de uma 'doença'. O norte-americano é portador do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade. A natação apareceu aos sete anos de idade, como forma de gastar o excesso de energia de Michael. Três anos depois, ele já quebrava recordes nacionais da sua faixa etária.

Com um futuro para lá de promissor, Phelps passou a treinar sob um regime mais profissional e se classificou com apenas 15 anos para os Jogos Olímpicos de 2000, em Sydney. Na Austrália, Michael não conquistou medalhas, mas conseguiu chegar à final dos 200m borboleta.

Em Pequim, Phelps fez história com oito medalhas de ouro

Em Pequim, Phelps fez história com oito medalhas de ouro
Crédito da imagem: Reuters

A lenda - Phelps tem nada menos que 14 ouros olímpicos e é o atleta que mais vezes subiu ao posto mais alto do pódio nos Jogos. O norte-americano ainda é o recordista de ouros em uma única Olimpíada: em Pequim, caiu na piscina oito vezes e terminou como vencedor em todas as suas provas. De quebra, o nadador fecha seus recordes com mais seis medalhas de ouro e duas de bronze conquistadas em Atenas.

Mas o norte-americano não se destacou apenas em olimpíadas. Phelps fechou as suas participações em Mundiais com nada menos do que 33 medalhas, sendo 26 delas de ouros. Um dos nadadores mais completos de todos os tempos, ele pulverizou 39 recordes mundiais em sua carreira e é, até hoje, dono dos melhores tempos em nada menos do que seis provas – três em equipe – em piscinas de 50 metros, e outro, também com o time dos EUA, em piscina curta de 25m.

Mais velho, Phelps luta para se manter como o número 1 da natação mundial

Mais velho, Phelps luta para se manter como o número 1 da natação mundial
Crédito da imagem: Reuters


O 'comilão' – Para conquistar todos estes títulos e recordes, não bastaram a genética e os treinos. Michael Phelps também precisou de uma superdieta para construir a carreira vitoriosa. Antes dos oito ouros de Pequim, o nadador consumia nada menos que 12.000 calorias diárias, seis vezes mais que um adulto normal.

Só no café-da-manhã, Phelps consumia três sanduíches de ovo frito – que ainda levavam queijo, alface, tomate, cebolas fritas e maionese -, uma omelete com cinco ovos, uma tigela de cereais, três fatias de torradas com açúcar e ainda mais três panquecas de chocolates. Tudo acompanhado com três xícaras de café.

Entre almoço e jantar, Phelps ainda consumia mais um quilo de macarrão, dois sanduíches grandes de queijo com presunto no pão branco com muita maionese e uma pizza inteira. Para beber, 2.000 calorias de bebida energética.

É com esse apetite que o norte-americano chegará a Londres. Para encerrar a carreira com mais recordes, mais medalhas, e mudar seu status na história – o atleta para, o mito continua.



Comente:

Nenhum comentário