Vaga olímpica será buscada na respescagem na Maratona Aquatica





Os brasileiros Samuel de Bona e Allan do Carmo não foram bem na maratona aquática de 10 quilômetros, disputada nesta 4ª feira, na pria de Jinshan City, em Xangai, China. A prova valia a primeira seletiva olímpica para os 10 primeiros colocados e agora haverá uma respecagem para os que não conseguiram em Xangai. Samuel terminou na 44ª posição, empatado com o húngaro Gergely Kutasi, em 2h02min17.2. Já Allan ficou em 50º lugar, com o tempo de 2h05min42.5. Agora é focar na repescagem a ser disputada em Setúbal, Portugal, no ano que vem.

O Mundial de Xangai viu uma vingança entre os maratonistas, levando-se em conta o resultado de dois anos atrás, em Roma. Na Itália, o alemão Thomas Lurz foi campeão nos 5km e 10km, e o grego Spyros Gianniotis acabou como vice nos cinco mil metros. Desta vez, o grego se tornou o novo campeão mundial dos 10 quilômetros com o tempo de 1h54min24s7. Em segundo chegou Thomas Lurz em 1h54min27s2, com o russo Sergey Bolshakov completando o pódio, em 1h54min31s2.  Lurz também foi medalhista olímpica em Pequim/2008, quando conquistou o bronze na estreia da modalidade em Olimpíadas.

Apenas Alemanha e Rússia conseguiram colocar dois nadadores entre os 10 mais bem classificados. Completaram a lista dos Top-10, atletas dos EUA, Austrália, Espanha, Bélgica e França.

O campeão mundial dos 25km no Mundial de Roma, o italiano Valerio Cleri terminou em 11º lugar, a uma posição da vaga olímpica.

Resultados:
1 – Spyros Gianniotis – Grécia – 1h54min24s7 / 2 – Thomas Lurz – Alemanha – – 1h54min27.2 /  3 – Sergey Bolshakov – Rússia – 1h54min27.2 / 4 – Alex Meyer – EUA – 1h54min33.1 / 5 – Ky Hurst – Austrália – 1h54min33.9 / 6 – Francisco José Hervas – Espanha -  1h54min34s3 /  7 – Brian Ryckeman – Bélgica – 1h54min36s1 / 8 – Julien Sauvage – França – 1h54min37s2   / 9 – Vladimir Dyatchin – Rússia – 1h54min38s2 / 10 – Andreas Waschburger – Alemanha – 1h54min39s8 / 44 – Samuel de Bona - Brasil – 2h02min17.2 / 50) Allan do Carmo – Brasil – 2h05min42.5

O Brasil participa do Mundial de Xangai com recursos dos Correios, Bradesco/Lei de Incentivos Fiscais, Lei Agnelo/Piva e Speedo.



Comente:

Nenhum comentário